Fé no Clima – Faith in the Climate

30 August 2015, 3:26 PM

Let's press our government leaders and parliamentarians to take ambitious attitudes toward local, regional, national and global policies that consider the current scenarios that are foreseen for climate change, and to promote educational actions, adaptation and appropriate mitigations that favor good life and the protection of those in more vulnerable situations.

The Declaration and the Climate Commitment Faith were generated from the International Meeting on Climate Faith; fruit of a faith initiative on climate (ISER / GIP) which aimed to unite various religious leaders in the climate change debate. The Statement was initially signed by 12 leaders who attended the meeting. Now we want to give amplitude to their claims, seeking national and international members, and showing that religious and nonreligious people worldwide are passionate about this issue. We require our leaders adopt ambitious approaches, not only at the Climate Conference in Paris (December 2015), but also after it. 

Read below the Declaration and Commitment Faith in Climate and sign the petition.

Faith and Commitment Declaration on Climate

Religious Communities and Climate Change

Introduction 

Gathered at the invitation of the Institute of Religious Studies (ISER), in partnership with Public Interest Management (IPM), the International Meeting Faith in Climate, occurred on August 25, 2015 in Rio de Janeiro. As representatives of different religious communities (regional, national, international and transnational), we share our convergences of perceptions and aspirations around the theme of climate change. 

We believe that these perceptions and aspirations, as they are known and disseminated within our religious communities, will contribute in a substantive manner to promote at the local level behavioral and ethical changes - individual and collective - that will be added to social and economic commitments, and for politicians to make in governments in their regional spheres; national and international. 

The debate on climate change can not afford decontextualized social, economic and environmental issues. The risk you run with it is that this important challenge of dealing with climate change will become just another "flag" without a deeper reflection on its impact on the deepening of inequalities and the generation of economic global policy disputes. This debate should be assessed in the light of social justice, broader environmental issues and the search for economic equity.

The group of community and religious leaders, who are committed to the environmental agenda, meet for the Faith Initiative on Climate in the hope of giving a living witness to the possibility of community perceptions, aspirations and concrete actions to build a healthier and more respectful world - even in the face of the wide diversity of beliefs and affiliations, and even of non-belief.

Community Perceptions 

Science has demonstrated that the dilapidated state of the planet Earth and further climate changes were caused by recent human action (Anthropocene). The set of actions that led to this situation the planet was based on a dominant mindset that believed and acted as if man were something isolated from the complex relationships that make life possible. Our sacred grounds, however, are a strong convergence in the sense that the human being is as important on the planet Earth (Mamapacha, Ireland, Common House) and others, animate and inanimate, who live here. The interdependence of all beings is the awareness that we must promote in our communities if we are to provide an ethical and behavioral transformation that is systematic and global.

We believe that, while the logic of competition dominates human life in society and prevails on the basis of reasons of states and in global diplomacy trading fields, little headway has been made in making a more just and secure planetary life. Based on our sacred foundations, we share the idea that the spirit of collaboration and cooperation pave the way to a life in healthier society and are worthy for each and every one of us, in harmony with the environment and our intrinsic differences. The spirit of collaboration and shared responsibility is what we must promote in our communities if we are to provide the sustainability of the community and the planet, where everyone knows and defends their rights, and accepts and agrees to their responsibilities. 

We understand that to mobilize our communities around the theme of climate change, we should value Science and Traditional Knowledge with equal respect. Each of these forms of knowledge production in their own way, and offers us evidence of the current state of the planet and the possible horizons for transformative actions. Our experiences with social and educational activities developed in our communities show that perceptions and concepts are better understood and assimilated when presented from experiences. We commit ourselves to expressing the discussions on climate change in language that makes sense to our communities and to enables us to reflect on how we can transform our ways of life, promoting awareness and effective mobilization on the subject.

We consider the youth the great potential actors of the transformation we need. Past generations, including ours, acted recklessly and wrongly, and we are aware of it. Young people of our communities are the main actors of the desired transformation and those who will build - we hope - a healthier planet to accommodate human dreams and aspirations. We must act immediately, conveying this message of confidence in youth and in its ability to transform the world in a comprehensive and effective way, using all communication means at our disposal and positive language, if we wish that the chances of a healthy and safe future are guaranteed for present and future generations.

Shared Aspirations

Without denying our concern for the sad perspectives that present themselves on the future of human life on planet Earth, we believe in the transforming power that resides in the community of aspirations of the various religious communities in the world. Gathered in an attempt to transform the current development paradigm, based mistakenly on the view that environmental protection is an obstacle to economic growth and promoting the well-being of our societies - and its related predatory mentality - we wish to contribute to the promotion of important ethical and behavioral changes - individual and collective - towards a creation that reflects caring efforts, spiritual connection and social, economic and environmental justice. 

We understand how important that society, through their religious communities, engage assertively in the discussion on climate change, the responsibility we have about them and what can we do, individually and collectively, to change our lifestyle, interacting with their governments and institutions specializing in the process of building a global agenda to confront the climate crisis, announced by Science and is only worsening as a result of predatory human actions.

We call on religious communities to demand that their national governments take ambitious targets in the Climate Conference (COP 21) to be held in Paris in December 2015, to promote: 1) a substantial reduction in emissions of greenhouse compatible with need to limit global temperature rise to 2 degrees Celsius by 2100; 2) the preservation of biodiversity in all biomes; 3) control of deforestation; 4) adaptation actions for the benefit of the most vulnerable to the impacts of climate change; 5) ensuring preservation of cultural traditions and ways of life; 6) the fight against hunger and indignity, and 7) the preferential adoption of renewable energy sources and clean technologies.

This statement is our collective commitment to a healthier environment and relational atmosphere between all of Earth's creatures.   

Rio de Janeiro, August 25, 2015 


 

André Trigueiro – Spiritism

Journalist with a postgraduate degree in Environmental Management from COPPE / UFRJ, author of books such as Mundo Sustentável e Espiritismo e Ecologia (Sustainable World and Spiritualism and Ecology), Environmental Journalism professor at PUC / RJ and TV Globo reporter. Since 2006, chief editor of the “Cidades e Soluções” (Cities and Solutions) Globo News. Commentator for Radio CBN, which shows on Saturdays and Sundays “Mundo Sustentável” (Sustainable World); Radio and Rio de Janeiro presents the Ecologia e Cultura” (Ecology and Culture) framework.

Pastor Ariovaldo Ramos – Evangelical

Ariovaldo Ramos is a writer, columnist and speaker with extensive experience in the mission of the church. Ariovaldo was president of AEVB (Brazilian Evangelical Association), Missionary of SEPAL, and president of World Vision in Brazil. Currently minister in the Christian Reformed Community.

Mãe Beata de Yemonjá – Iyalorixá do Ilê Omi Ojuarô

Founder of Ilê Omi Ojuarô, historic character of the interreligious movement in Rio de Janeiro, feminist leader of african -Brazilian religions

Dolores (Inkaruna) Ayay Chilón – Tradição andina, Peru

Consultant and professor of Quechua language and President of the National Organization of Indigenous Communities: Aymara, Quechua and Amazonian Regions of Peru - Cajamarca and President of Confederación de los Clarineros y Cajeros de Cajamarca, no Perú. 

Mãe Flavia Pinto – Priestess of the Umbanda

Sociologist, priestess of the Umbanda Spiritual Center House of Forgiveness, activist of the Black Movement, coordinator of social projects, experience in planning and management of public policies, radio columnist, writer, speaker. Member of the Religious Diversity Committee of the Ministry of Justice, Member of the Group to Combat Religious Intolerance at the State Secretariat for Human Rights of Rio de Janeiro; Member of the Organizing Committee of the 1st Municipal Conference on Human Rights of Rio de Janeiro; Advisor to the Coordinator of Human Rights in Rio; Winner of the National Human Rights Award in 2011 given by President Rousseff.

Reverendo Fletcher Harper – Episcopal Pastor, United States

Episcopal Pastor, executive director of GreenFaith, an American environmentalist multifaith coalition. Award-winning author and speaker on environmental issues, has developed innovative programs to make GreenFaith a leading religious and the environmental movement worldwide. He attended graduate studies in theology at Princeton University, serving as pastor for ten years before joining this organization. He is the author of GreenFaith book: Mobilizing People of God to Protect The Earth (Abingdon Press, March 2015).

Padre Josafá Carlos de Siqueira S.J. - Catholic Church

Professor and Father Josafá Carlos de Siqueira, SJ, is a Jesuit priest, Doctor of Plant Biology and professor of the Department of PUC-Rio Biology. At the University he founded the Núcleo Interdisciplinar de Meio Ambiente (Interdisciplinary Center for the Environment) (NIMA). He has more than 50 articles published in scientific journals and is the author of 15 books in biology, ethical and ecological spirituality. In recent years he has been dedicated to teaching and research in the area of environmental ethics, where his best-known books are: Ethics and the Environment, Environmental Ethics, Rio + 20 Reflections on Social and Environmental Sustainability. As an activist in the ecological and pastoral areas, has guided ecological retreats in Rio de Janeiro, Sao Paulo, Piaui, Goias and Brasilia, where his most publicized books are: Spirituality and the Environment, A Look at the Nature Ecological Prayers, Ecological Meditations Ignatius of Loyola and Ecological Spirituality of Jesuits. He is currently the Rector of the Pontifical Catholic University of Rio de Janeiro.

Kola Abimbola - Babalorixá Yorubano, Nigéria

Babalorixá Yorubano, philosopher, researcher, writer and Nigerian academic with expertise in the area of ethics, politics and justice. Kola is the editor of the Journal of Research Forense e Criminologia (Journal of Forensic and Criminology Research). He was President of the Sociedade Internacional de Filosofia e Estudos Africanos  (International Society of Philosophy and African Studies) between 2006-2010, and the Conselho Britânico Commonwealth Acadêmico Acadêmico  (British Commonwealth Scholar Academic Council) 1989-1992. Currently operates in the field of environmental ethics from Yoruba religious experiences.

Txai Leopardo Yawa Bane - Indigenous Tradition

Huni Kuin Leopard Yawa Bane, the indigenous people Huni Kuin ("Real People") of Acre, has been conducting Ayahuasca ceremonies in São Paulo. 10 years ago, he worked with the power plant, valuing its tradition and spreading their culture in the city. Through ceremonies, paintings and other medicines, such as Snuff, Sananga and Kambô, Leopard Yawa Bane brings the knowledge of their ancestors, of his people. 

Rabino Nilton Bonder – Jewish Tradition

Rabbi and spiritual leader of the Jewish Congregation of Brazil, he holds a doctorate in Hebrew literature at the Jewish Theological Seminary and directs the Midrash Cultural Center in Rio de Janeiro. He is the author of recognized national and international books on various topics seen from a Jewish perspective.

Lama Padma Samten - Buddhist Monk

Buddhist monk, physicist, writer, speaker and founder of the Institute Middle Way - Bodhisattva Buddhist Study Center (CEBB). Lama Padma Samten has guided practitioners and academics from different fields who seek to deepen and qualify their theses, studies and professional performance from an interface with spirituality in general, and with Buddhism, specifically. Science, psychology, health, sociology and education are some of the main areas where this dialogue happens.

Pastor Timoteo Carriker – Presbyterian Pastor

Presbyterian Bachelor of Science of Religion of North Carolina University in Charlotte (USA), Master of Divinity degree at Gordon-Conwell Theological Seminary (USA), MA in Missiology at the School of Intercultural Studies from Fuller (USA), and Ph.D Studies Intercultural at the School of Intercultural Studies from Fuller (USA). He is a Professor, Pastor, Chaplain member of Rocha Brazil (environmental NGO Christian), for 8 years, writer and editor (of the Missionary Study Bible, including social and environmental considerations); theologian and missiologist independent Presbyterian Church of Brazil.

-- 

Read the statement in its original Portuguese:

Vamos pressionar nossas lideranças governamentais/parlamentares a assumirem posturas ambiciosas na direção de políticas locais, regionais, nacionais e globais que considerem os atuais cenários previstos para as mudanças climáticas, promovendo ações de educação, adaptação e mitigação adequadas que privilegiem a boa vida e a proteção daqueles em situações de maior vulnerabilidade.

A Declaração e Compromisso Fé no Clima foi gerada a partir do Encontro Internacional Fé no Clima, fruto da iniciativa Fé no Clima (ISER/GIP) que visa reunir lideranças religiosas diversas no debate sobre mudanças climáticas. A Declaração foi inicialmente subscrita pelas 12 lideranças que participaram do Encontro e agora queremos dar amplitude a seus pleitos, buscando adesões nacionais e internacionais, mostrando que religiosos e não religiosos no mundo inteiro estão mobilizados por esse tema e exigem de suas lideranças posturas ambiciosas, não só na Conferência do Clima em Paris (em dezembro de 2015), mas também depois dela.

Leia abaixo a Declaração e Compromisso Fé no Clima e assine a petição!

Declaração e Compromisso Fé no Clima

Comunidades Religiosas e Mudanças Climáticas

Introdução

·               Reunidos a convite do Instituto de Estudos da Religião (ISER), em parceria com Gestão de Interesse Público (GIP), no Encontro Internacional Fé no Clima, ocorrido em 25 de agosto de 2015 no Rio de Janeiro, enquanto representantes de diversas comunidades religiosas regionais, nacionais, internacionais e transnacionais, vimos compartilhar nossas convergências de percepções e aspirações em torno do tema das mudanças climáticas.

·               Consideramos que essas percepções e aspirações, na medida em que sejam conhecidas e disseminadas no interior das nossas comunidades religiosas, contribuirão de maneira substantiva para promover na esfera local mudanças comportamentais e éticas — individuais e coletivas —, que se somarão aos compromissos sociais, econômicos e políticos a serem assumidos pelos governos em suas esferas regionais, nacionais e nos fóruns internacionais.

·               O debate sobre as mudanças climáticas não pode se dar descontextualizado das questões sociais, econômicas e ambientais. O risco que se corre com isso é o de que este importante desafio de lidar com a mudança do clima se torne apenas mais uma “bandeira”, sem uma reflexão mais profunda sobre seus impactos no aprofundamento das desigualdades e na geração de disputas de política econômica global. Esse debate deve ser apreciado à luz da justiça social, das questões ambientais mais amplas e da busca de equidade econômica.

·              O grupo de lideranças comunitárias e religiosas, comprometido com a agenda ambiental, reunido na iniciativa Fé no Clima espera dar um testemunho vivo da possibilidade de comunhão de percepções, aspirações e ações concretas para a construção de um mundo mais saudável e respeitoso, mesmo em face da mais ampla diversidade de crenças e pertenças e inclusive de não crenças.

Percepções comungadas

·               A Ciência vem demonstrando que o estado de dilapidação do planeta Terra e o agravamento das mudanças climáticas foram provocados pela ação humana recente (Antropoceno). O conjunto de ações que conduziram o planeta à situação presente foi baseado em uma mentalidade dominante que acreditava e agia como se o ser humano fosse algo isolado das complexas relações que possibilitam a vida. Nossos fundamentos sagrados, no entanto, encontram uma forte convergência na percepção de que o ser humano é tão importante no planeta Terra (Mamapacha, Irê, Casa Comum) quanto os outros entes animados e não animados que aqui vivem. A interdependência entre todos os seres é a consciência que devemos promover em nossas comunidades, se quisermos propiciar uma transformação ética e comportamental sistemática e planetária.

·               Consideramos que enquanto a lógica da competição dominar a vida humana em sociedade e prevalecer na base das razões dos Estados e nos campos de negociação da diplomacia global, pouco ou nenhum avanço conseguiremos no sentido de tornar a vida planetária mais justa e segura. Baseados em nossos fundamentos sagrados comungamos a ideia de que o espírito de colaboração e cooperação pavimentam o caminho de uma vida em sociedade mais saudável e digna para todos e cada um dos nós, em harmonia com o ambiente e nossas diferenças intrínsecas. O espírito de colaboração e responsabilidade compartilhada é o que devemos promover em nossas comunidades, se quisermos propiciar a sustentabilidade da comunidade e do planeta, onde cada pessoa conhece e defende os seus direitos, aceita e se compromete com as suas responsabilidades.

·               Entendemos que para a mobilização das nossas comunidades em torno do tema das mudanças climáticas devamos nos aproximar da Ciência e dos Saberes Tradicionais com igualdade de respeito e valoração. Cada uma destas formas de produção de conhecimento, à sua maneira, nos oferece evidências do estado atual do planeta e os horizontes possíveis para ações transformadoras. Nossas experiências com ações sociais e educativas desenvolvidas em nossas comunidades demonstram que percepções e conceitos são melhor compreendidos e assimilados quando apresentados a partir de experiências vividas. Assumimos o compromisso de  expressar as discussões sobre mudanças climáticas em uma linguagem que faça sentido para nossas comunidades e que nos permita refletir sobre como podemos transformar nossos modos de vida, promovendo sensibilização e mobilização efetiva sobre o tema.

·               Consideramos a juventude o grande ator potencial da transformação de que necessitamos. As gerações passadas, incluindo-se a nossa, agiram equivocada e inconsequentemente, e disto estamos conscientes. Os jovens das nossas comunidades são os principais agentes da transformação desejada e aqueles que construirão — assim o esperamos — um planeta mais saudável para acolher os sonhos e as aspirações humanas. Devemos agir imediatamente, veiculando esta mensagem de confiança na juventude e em sua capacidade de transformação de uma forma abrangente e eficaz, utilizando todos os meios de comunicação ao nosso alcance e uma linguagem positiva, se desejarmos que as chances de um futuro saudável e seguro estejam garantidas para as gerações atuais e futuras.

Aspirações compartilhadas

·               Sem negar nossa preocupação com as tristes perspectivas que se apresentam sobre o futuro da vida humana no planeta Terra, acreditamos na potência transformadora que reside na comunhão de aspirações das diversas comunidades religiosas do mundo. Congregados na intenção de transformar o paradigma de desenvolvimento vigente, pautado equivocadamente na visão de que a proteção ao meio ambiente é um obstáculo ao crescimento econômico e à promoção do bem-estar de nossas sociedades — e sua correlata mentalidade predadora — desejamos contribuir com a promoção de importantes transformações éticas e comportamentais — individuais e coletivas — na direção de uma Criação que reflita esforços de cuidado, conexão espiritual e justiça social, econômica e ambiental.

·               Entendemos como fundamental que a sociedade, por intermédio também das suas comunidades religiosas, envolva-se assertivamente na discussão sobre as mudanças climáticas, a responsabilidade que temos sobre elas e o que podemos fazer, individual e coletivamente, para mudar nosso estilo de vida,  interagindo com seus governos e instituições especializadas no processo de construção de uma agenda global de enfrentamento da crise climática, anunciadas pela Ciência e que só vem agravando, decorrentes das ações humanas predatórias.

·               Convocamos as comunidades religiosas a demandarem que seus governos nacionais assumam metas ambiciosas na Conferência do Clima (COP 21), que ocorrerá em Paris em dezembro de 2015, para promover: 1) a redução substancial das emissões de gases com efeito de estufa compatível com a necessidade de limitar o aumento da temperatura global a 2 graus Celsius até 2100; 2) a preservação da biodiversidade em todos os biomas; 3) o controle do desmatamento; 4) ações de adaptação em benefício das populações mais vulneráveis aos impactos das mudanças climáticas; 5) a garantia de preservação de tradições culturais e modos de vida; 6) o combate à fome e à indignidade, e 7) a adoção preferencial de fontes de energia renováveis e de tecnologias limpas.

·               Que a presente declaração seja nosso compromisso coletivo para um clima ambiental e relacional mais saudável entre todos os seres da Terra. 

Rio de Janeiro, 25 de agosto de 2015.

André Trigueiro – Espiritismo

Jornalista com pós-graduação em Gestão Ambiental pela COPPE/UFRJ, autor de livros como Mundo Sustentável e Espiritismo e Ecologia, Professor de Jornalismo Ambiental da PUC/RJ e repórter da TV Globo. Desde 2006 é editor-chefe do programa “Cidades e Soluções” da Globo News. É comentarista da Rádio CBN, na qual apresenta aos sábados e domingos o quadro “Mundo Sustentável”; e na Rádio Rio de Janeiro apresenta o quadro “Ecologia e Cultura”. 

Pastor Ariovaldo Ramos – Evangélico

Ariovaldo Ramos é escritor, articulista e conferencista com larga experiência na missão da igreja. Ariovaldo foi presidente da AEVB (Associação Evangélica Brasileira), Missionário da SEPAL, e presidente da Visão Mundial no Brasil. Atualmente ministra na Comunidade Cristã Reformada. 

Mãe Beata de Yemonjá – Iyalorixá do Ilê Omi Ojuarô

Iyalorixá fundadora do terreiro Ilê Omi Ojuarô, personagem histórica do movimento interreligioso do Rio de Janeiro, líder feminista de religiões afro-brasileiras.

Dolores (Inkaruna) Ayay Chilón – Tradição andina, Peru

Consultor e professor do idioma Quechua e Presidente da Organización Nacional de las Comunidades Indígenas: Aimaras, Amazónicos y Quechuas del Perú-Región Cajamarca e Presidente da Confederación de los Clarineros y Cajeros de Cajamarca, no Perú.

Mãe Flavia Pinto – Sacerdotisa de Umbanda

Socióloga, sacerdotisa de Umbanda do Centro Espírita Casa do Perdão, ativista do Movimento Negro, coordenadora de projetos sociais, experiência em planejamento e gestão de políticas públicas, colunista de rádio, escritora, palestrante. Membro do Comitê de Diversidade Religiosa do Ministério da Justiça, Integrante do Grupo para Enfrentamento a Intolerância Religiosa da Secretaria Estadual de Direitos Humanos do Rio de Janeiro; Membro da Comissão Organizadora da 1° Conferência Municipal de Direitos Humanos do Rio de Janeiro; Assessora da Coordenadoria de Direitos Humanos do Município do Rio; Ganhadora do Prêmio Nacional de Direitos Humanos 2011 entregue pela presidenta Dilma Rousseff.

Reverendo Fletcher Harper - Pastor Episcopal, Estados Unidos

Pastor Episcopal, diretor executivo da GreenFaith, uma coalizão multireligiosa ambientalista norte-americana. Premiado autor e pregador sobre questões ambientais, tem desenvolvido programas inovadores para tornar a GreenFaith uma líder no movimento religioso e ambiental no mundo. Cursou graduação em Teologia em Princeton University, atuando como pastor por dez anos antes de se juntar a esta organização. É autor do livro GreenFaith: mobilizando as pessoas de Deus para Proteger a Terra (Abingdon Press, março de 2015).

Padre Josafá Carlos de Siqueira S.J. – Igreja Católica

O Professor e Padre Josafá Carlos de Siqueira SJ, é um sacerdote jesuíta, Doutor em Biologia Vegetal e professor do Depto. de Biologia da PUC-Rio. Na Universidade fundou o Núcleo Interdisciplinar de Meio Ambiente (NIMA). Possui mais de 50 artigos publicados em periódicos científicos, sendo autor de 15 livros na área de biologia, ética e espiritualidade ecológica. Nos últimos anos tem se dedica ao ensino e pesquisa na área de ética socioambiental, onde os seus livros mais conhecidos são: Ética e Meio Ambiente, Ética Socioambiental, Rio+20 reflexões sobre sustentabilidade socioambiental. Como atividade na área de pastoral ecológica, tem orientado retiros ecológicos no Rio de Janeiro, São Paulo, Piauí, Goiás e Brasilia, onde seus livros mais divulgados são: Espiritualidade e Meio Ambiente, Um olhar sobre a Natureza, Orações Ecológicas, Meditações Ecológicas de Inácio de Loyola e a Espiritualidade Ecológica dos Jesuítas. Atualmente é o Reitor da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro.

Kola Abimbola - Babalorixá yorubano, Nigéria

Babalorixa Yorubano, filósofo, pesquisador, articulista e acadêmico nigeriano com atuação na área de ética, política e justiça. Kola é o editor do Journal of Research Forense e Criminologia. Foi Presidente da Sociedade Internacional de Filosofia e Estudos Africanos entre 2006-2010, e do Conselho Britânico Commonwealth Acadêmico Acadêmico entre 1989-1992. Atualmente atua no campo da ética ambiental a partir das experiências religiosas Yorubanas.

Txai Leopardo Yawa Bane - Tradição indígena Huni Kuin

Leopardo Yawa Bane, indígena do povo Huni Kuin (“Povo Verdadeiro”) do Acre, vem conduzindo cerimônias de Ayahuasca em São Paulo. Há 10 anos, trabalha com a planta de poder, valorizando sua tradição e divulgando sua cultura na cidade. Através das cerimônias, das pinturas e de outras medicinas, como o Rapé, Sananga e Kambô, Leopardo Yawa Bane traz o conhecimento de seus ancestrais, de seu povo.

Rabino Nilton Bonder – Tradição judaica

Rabino e líder espiritual da Congregação Judaica do Brasil, é doutor em Literatura Hebraica pelo Jewish Theological Seminary e dirige o Centro de Cultura Midrash no Rio de Janeiro. É autor de livros reconhecidos nacional e internacionalmente sobre diversos temas vistos sob uma ótica judaica. 

Lama Padma Samten - Monje budista

Monje Budista, físico, escritor, palestrante e fundador do Instituto Caminho do Meio – Centro de Estudos Budistas Bodisatva (CEBB). Lama Padma Samten tem orientado profissionais e acadêmicos de diferentes áreas, que buscam aprofundar e qualificar suas teses, estudos e atuações profissionais, a partir de uma interface com a espiritualidade, de modo geral, e com o budismo, de modo específico. Ciência, psicologia, saúde, sociologia e educação são algumas das principais áreas em que este diálogo acontece.

Pastor Timoteo Carriker – Pastor Presbiteriano

Bacharel em Ciências da Religião da Universidade de Carolina do Norte em Charlotte (E.U.A.), Mestrado em Divindade no Seminário Teológico Gordon-Conwell (E.U.A), Mestrado em Missiologia na Escola de Estudos Interculturais de Fuller (E.U.A.), e Ph.D em Estudos Interculturais na Escola de Estudos Interculturais de Fuller (E.U.A.). É professor, Pastor, membro do Capelão da Rocha Brasil (ONG cristã ambiental) há 8 anos, escritor e editor (da Bíblia Missionária de Estudo, inclusive com reflexões socio-ambientais); teológo e missiólogo da Igreja Presbiteriana independente do Brasil.